Envie para a equipe do sma possíveis erros que existirem nesta página:

Análise Sinótica referente ao mês de Janeiro de 2018 na região de Atuação das Cooperativas ABC

O mês de Janeiro de 2018 foi marcado pela regularidade das chuvas ao longo do mês, sendo causado principalmente pela atuação de aglomerados convectivos formados a partir do intenso aquecimento em superfície, combinado com o aumento no transporte de calor e umidade trazido pelo ventos em altitude vindo do norte do país, além do deslocamento de frentes frias pelo mar e sistemas de baixa pressão atmosférico no interior do continente.

Toda essa instabilidade contribuiu para o aumento na frequência de pancadas de chuva de moderada a forte intensidade a partir da tarde ou noite e por vezes durante o período da madrugada em praticamente toda a região de Atuação das Cooperativas ABC. A figura 01 mostra os acumulados de chuva em janeiro, medidos pela rede de estações agrometeorológicas automáticas da Fundação ABC. Podemos observar que os maiores volumes ocorreram nos municípios de Ponta Grossa e Imbituva no estado do Paraná, com total mensal acima dos 400mm (sendo superior ao dobro do esperado para essa época do ano). De um modo geral, o mês de janeiro de 2018 apresentou acumulados de chuva acima da média climatológica na maioria das estações automáticas.

A figura 02 representa a distribuição espacial do volume total de chuva em janeiro para toda a região do Grupo ABC, gerado a partir dos registros diários interpolados, cedidos pelas estações automáticas da Fundação ABC. É possível identificar na figura 02 que os maiores acumulados ocorreram na metade sul da nossa região de interesse. Vale ressaltar, que a média regional ficou em torno de 252mm, sendo superior à média climatológica de 200mm.

Durante o mês foram registrados alguns eventos meteorológicos significativos, responsáveis pela ocorrência de fortes temporais e grande acumulados de chuva. A estação de Teixeira Soares Lagoa-PR chegou a registrar 119mm em 24 horas, sendo 25mm em apenas 15min no dia 12/01. Já a estação de estação de Tibagi São Bento-PR marcou 120mm em 24 horas e 27mm em 15min no dia 17/01. Nestes dias, após uma tarde bastante abafada, várias áreas de instabilidade se formaram sobre a região do Grupo ABC e avançaram para nordeste em direção ao estado de São Paulo e litoral do Paraná, provocando chuvas intensas em um curto espaço de tempo, típico dessa época do ano, conforme indicado nas imagens do satélite meteorológico GOES-16 das 23 horas (hora local) do dia 12/01 (Fig. 3a) e das 02 horas (hora local) do dia 17/01 (Fig. 3b).

Em relação às temperaturas médias do ar, as máximas em janeiro de 2018 variaram entre 1 a 2⁰C abaixo da média climatológica. A máxima absoluta do mês chegou a 39,8⁰C no dia 24/01 em Santa Cruz do Rio Pardo-SP. Já as mínimas estiveram bem próximas a média climatológica para essa época do ano. A mínima absoluta foi registrada na estação de Castro Santa Ângela-PR no início da madrugada do dia 31/01 com valor de 11,89ºC, devido a atuação de uma massa de ar menos aquecido, associado a um sistema de alta pressão migratório localizado próximo ao litoral do Paraná. Esse sistema provocou mudanças na direção dos ventos, que passaram atuar mais de sudeste, trazendo um ar relativamente mais frio que contribui para que as temperaturas ficassem mais baixas durante a madrugada.